Logo do Site - Banco de Questões
Continua após a publicidade..

(ENEM/2018) Os próprios senhores de engenho eram uns gulosos de doce e de comidas adocicadas. Houve engenho que ficou com o nome de “Guloso”. E Manuel Tomé de Jesus, no seu Engenho de Noruega, antigo dos Bois, vivia a encomendar doces às doceiras de Santo Antão; vivia a receber presentes de doces de seus compadres. Os bolos feitos em casa pelas negras não chegavam para o gasto. O velho capitão-mor era mesmo que menino por alfenim e cocada. E como estava sempre hospedando frades e padres no seu casarão de Noruega, tinha o cuidado de conservar em casa uma opulência de doces finos.

FREYRE, G. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1985 (adaptado).

O texto relaciona-se a uma prática do Nordeste oitocentista que está evidenciada em:

Continua após a publicidade..

Resposta:

A alternativa correta é letra D.

O texto mostra que os senhores de engenho do Nordeste colonial tinham o hábito de consumir e oferecer doces e comidas adocicadas, que eram feitos de forma artesanal pelas doceiras e pelas escravas. Essa prática estava relacionada à cultura da cana-de-açúcar, que era a base da economia da região, e também à formação de redes de sociabilidade entre os senhores de engenho e seus convidados, como frades, padres e compadres. Os doces e as comidas adocicadas eram símbolos de prestígio e de generosidade, que reforçavam os laços sociais entre os membros da elite açucareira.

As alternativas A, B, C e E estão incorretas porque:

  • A produção familiar de bens para festejar as datas religiosas não era uma prática exclusiva do Nordeste oitocentista, mas de toda a Colônia. Além disso, o texto não se refere a essa produção, mas sim à encomenda e ao recebimento de doces de fora da casa dos senhores de engenho.
  • A fabricação escrava de alimentos para manter o domínio das elites não era uma prática exclusiva do Nordeste oitocentista, mas de toda a Colônia. Além disso, o texto não se refere a essa fabricação, mas sim ao consumo e à oferta de doces pelos senhores de engenho.
  • A circulação regional de produtos para garantir as trocas metropolitanas não era uma prática exclusiva do Nordeste oitocentista, mas de toda a Colônia. Além disso, o texto não se refere a essa circulação, mas sim ao consumo e à oferta de doces pelos senhores de engenho.
  • A comercialização ambulante de quitutes para reproduzir a tradição portuguesa não era uma prática exclusiva do Nordeste oitocentista, mas de toda a Colônia. Além disso, o texto não se refere a essa comercialização, mas sim ao consumo e à oferta de doces pelos senhores de engenho.
Continua após a publicidade..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continua após a publicidade..