Logo do Site - Banco de Questões

Questões Sobre Roma Antiga - História - 1º ano do ensino médio

1) (PUCCamp SP/2018) O império romano foi constituído em um longo processo de expansão, que contou com grandes ações militares e significativa resistência nos territórios invadidos. São exemplos de conflitos travados ao longo desse processo de expansão as Guerras

  • A) Médicas, que resultaram, após anos de combates, na derrota dos persas pelos romanos.
  • B) Púnicas, que tiveram, dentre as suas consequências, a destruição de Cartago.
  • C) Bárbaras, que consistiram na vitória pelo exército romano dos chamados exércitos bárbaros, compostos de saxões e berberes, dentre outros.
  • D) do Peloponeso, que provocaram a custosa incorporação da Grécia aos limites dos domínios romanos.
  • E) Cantábricas, que culminaram na ocupação da então chamada Britânia entre as colônias de Roma.
FAZER COMENTÁRIO

São exemplos de conflitos travados ao longo desse processo de expansão as Guerras Púnicas, que tiveram, dentre as suas consequências, a destruição de Cartago. A alternativa correta é a letra B.

As Guerras Púnicas foram uma série de três guerras que opuseram a República Romana e a República de Cartago, cidade-estado fenícia, no período entre 264 a.C. e 146 a.C. Depois de um século de lutas, ao fim das Guerras Púnicas, Cartago foi totalmente destruída e Roma passou a dominar o mar Mediterrâneo.

As Guerras Púnicas tiveram como causa a rivalidade entre Roma e Cartago, pela hegemonia econômica, política e militar no Mediterrâneo, importante meio de transporte de mercadorias naquela época. Os romanos intervieram na Sicília, que era dominada por Cartago, e iniciaram a Primeira Guerra Púnica, que terminou com a vitória romana e a perda das ilhas Sicília, Córsega e Sardenha por parte dos cartagineses.

Na Segunda Guerra Púnica, o general cartaginês Aníbal invadiu a península Itálica, atravessando os Alpes com elefantes, e venceu várias batalhas contra os romanos, mas não conseguiu tomar Roma. Os romanos, por sua vez, atacaram a Península Ibérica e a África, obrigando Aníbal a voltar para defender Cartago. A guerra terminou com a derrota de Aníbal na batalha de Zama, em 202 a.C., e com a imposição de duras condições aos cartagineses, que tiveram que pagar pesados tributos, entregar seus navios e seus elefantes, e renunciar à sua autonomia militar.

Na Terceira Guerra Púnica, os romanos, temendo a recuperação econômica de Cartago, decidiram destruir definitivamente a cidade rival. O senador Catão, o Velho, terminava todos os seus discursos com a frase “Cartago deve ser destruída” (Delenda est Carthago). Em 149 a.C., os romanos declararam guerra a Cartago, sob o pretexto de que os cartagineses haviam violado o tratado de paz ao se defenderem de um ataque dos númidas, aliados de Roma. Os cartagineses resistiram por três anos, mas foram vencidos e massacrados pelos romanos, que incendiaram e arrasaram a cidade, e venderam os sobreviventes como escravos. Cartago deixou de existir como potência e Roma se tornou a senhora do Mediterrâneo.

Continua após a publicidade..

2) (FGV/2018) A vida privada dos escravos romanos à época do Império é um espetáculo pueril que se olha com desdém. No entanto, esses homens tinham vida própria; por exemplo, participavam da religião, e não apenas da religião do lar que, afinal, era o seu: fora de casa, um escravo podia perfeitamente ser aceito como sacerdote pelos fiéis de alguma devoção coletiva; podia também se tornar padre dessa Igreja cristã que nem por um momento pensou em abolir a escravidão. Paganismo ou cristianismo, é possível que as coisas religiosas os tenham atraído muito, pois bem poucos outros setores estavam abertos para eles. Os escravos também se apaixonavam pelos espetáculos públicos do teatro, do circo e da arena, pois, nos dias de festa, tinham folga, assim como os tribunais, as crianças das escolas e… os burros de carga.

(Paul Veyne, O Império Romano. Em: Paul Veyne (org.). História da vida privada v. 1: do Império Romano ao ano mil, 2009. Adaptado)

A partir da discussão presente no trecho, é correto afirmar:

  • A) a característica fundante do escravismo romano era a origem étnica, o que fazia com que a escravização dos povos conquistados e o tráfico nas fronteiras do Império proporcionassem a grande maioria da mão de obra servil, ao mesmo tempo em que a escravidão entre os próprios romanos havia caído em desuso desde a crise da República.
  • B) os escravos na sociedade romana não eram uma coisa, mas seres humanos, na medida em que até os senhores que os tratavam desumanamente impunham-lhes o dever moral de ser bons escravos, de servir com dedicação e fidelidade, características necessariamente humanas; no entanto, esses seres humanos eram igualmente um bem cuja propriedade seu amo detinha.
  • C) a escravidão caracterizava as relações de produção em Roma e os escravos, em sua inferioridade jurídica, desempenhavam uma função produtiva, marcados por um lugar social de pobreza, privação e precariedade, estando associados às formas braçais de trabalho e à produção de bens materiais em uma sociedade altamente hierarquizada.
  • D) a justificativa moral da escravidão sofreu uma intensa transformação ao longo dos séculos, de tal forma que a própria sociedade romana passou a questioná-la, tornando mais brandas as relações escravistas em meio à transformação do cristianismo em religião oficial do Império, o que contribuiu para o aprofundamento da crise do escravismo.
  • E) as relações escravistas caracterizaram os tempos da República romana, muito associadas ao poder dos patrícios, pertencentes à aristocracia de grandes proprietários, mas entraram em decadência na passagem para o Império, pois os generais que centralizaram o poder reconheciam na escravidão um mecanismo de enfraquecimento do exército.
FAZER COMENTÁRIO

A alternativa correta é a letra B.

A partir da discussão presente no trecho, é correto afirmar que os escravos na sociedade romana não eram uma coisa, mas seres humanos, na medida em que até os senhores que os tratavam desumanamente impunham-lhes o dever moral de ser bons escravos, de servir com dedicação e fidelidade, características necessariamente humanas; no entanto, esses seres humanos eram igualmente um bem cuja propriedade seu amo detinha.

O trecho mostra que, apesar da condição de escravidão, os escravos romanos tinham uma vida própria, que incluía a participação na religião, seja ela pagã ou cristã, e o gosto pelos espetáculos públicos, que lhes proporcionavam momentos de lazer e diversão. Esses aspectos revelam que os escravos eram dotados de sentimentos, crenças e preferências, que os tornavam seres humanos e não meros objetos. No entanto, essa humanidade não era reconhecida pelos seus senhores, que os tratavam como propriedades e os exploravam de diversas formas. Os escravos eram submetidos a uma quase absoluta redução de direitos, podendo ser vendidos, alugados, castigados ou libertados conforme a vontade do seu amo. Mesmo depois da alforria, os escravos libertos não tinham os mesmos direitos e privilégios dos cidadãos romanos

Portanto, o trecho aponta para a contradição entre a humanidade dos escravos e a desumanidade da escravidão na sociedade romana. As outras alternativas estão incorretas, pois:

  • A) A origem étnica não era a única forma de escravização na Roma Antiga. Os romanos também podiam se tornar escravos por dívidas, por crimes, por nascimento ou por abandono. A escravidão entre os próprios romanos não caiu em desuso, mas foi abolida por uma lei no século IV
  • C) A escravidão não caracterizava as relações de produção em Roma, pois havia também outras formas de trabalho, como o trabalho livre, o trabalho assalariado, o trabalho familiar e o trabalho dos colonos. Além disso, os escravos não estavam associados apenas às formas braçais de trabalho, mas também exerciam funções intelectuais, artísticas, administrativas e religiosas
  • D) A justificativa moral da escravidão não sofreu uma intensa transformação ao longo dos séculos, mas sim uma adaptação às circunstâncias históricas. A sociedade romana não questionou a escravidão, mas sim as condições de vida dos escravos, que podiam gerar revoltas e conflitos. O cristianismo não contribuiu para a crise do escravismo, mas sim para a sua legitimação, pois aceitou a escravidão como uma ordem natural e divina
  • E) As relações escravistas não caracterizaram apenas os tempos da República romana, mas também os do Império. A escravidão não entrou em decadência na passagem para o Império, mas sim se expandiu e se diversificou, acompanhando o crescimento territorial e populacional de Roma. Os generais que centralizaram o poder não reconheciam na escravidão um mecanismo de enfraquecimento do exército, mas sim uma fonte de riqueza e prestígio.

3) (ESPM SP/2018) Sobretudo a partir dos Antoninos, crescera a importância dos elementos das províncias na economia, na administração e no recrutamento militar. Assim, em 212 foi estabelecido o Edito de Caracala.

(Rubin Santos Leão de Aquino. História das Sociedades: das comunidades pri- mitivas às sociedades medievais)

O Edito de Caracala:

  • A) legalizou o cristianismo;
  • B) concedeu a cidadania romana a todos os habitantes li-vres do império;
  • C) oficializou o cristianismo;
  • D) criou a guarda pretoriana;
  • E) estabeleceu um controle de preços pelo Estado.
FAZER COMENTÁRIO

O Edito de Caracala foi um texto jurídico promulgado pelo imperador Caracala em 212, que concedeu a cidadania romana a todos os habitantes livres do império. A alternativa correta é a letra B.

O Edito de Caracala, também conhecido como Constituição Antonina, foi uma importante reforma que teve repercussões no direito civil e no âmbito fiscal do Império Romano. Antes do edito, a cidadania romana era restrita aos habitantes de Roma e de algumas cidades aliadas, que gozavam de privilégios políticos, jurídicos e econômicos. Os demais habitantes das províncias eram considerados peregrinos, isto é, estrangeiros, que estavam sujeitos a impostos mais altos e a leis diferentes.

Com o edito, Caracala ampliou a cidadania romana para todos os indivíduos livres do império, independentemente de sua origem, etnia ou religião. Isso significou uma maior integração e uniformização das diversas populações que compunham o império, bem como uma maior arrecadação de impostos para o Estado. No entanto, o edito também causou uma perda de prestígio e de diferenciação dos antigos cidadãos romanos, que passaram a ser iguais aos provinciais.

Continua após a publicidade..

4) (PUC SP/2018) Considere os textos abaixo.

“[…] Amúlio expulsa seu irmão e apodera-se do trono. Depois deste crime, cometeu outro: ele extermina todos os filhos varões do irmão e, sob o pretexto de honrar sua sobrinha Réia Sílvia, colocando-a entre as vestais, ele tira toda a esperança de se tornar mãe condenando-a à virgindade perpétua. Mas acredito que o destino estava encarregado da fundação de uma cidade tão poderosa: era a ele que cabia lançar os alicerces deste vasto império que iguala o dos deuses. […]”

Tito Livio – História de Roma, livro I, p.10. – Texto traduzido e adaptado de TITO LÍVIO. Historia de Roma desde su fundación. (Ab urbe condita). http: //historicodigital.com/download/tito%20livio%20i. pdf, acesso em 07/11/17

“Os romanos foram honrados em quase todas as nações: impuseram as leis da sua hegemonia a muitos povos: hoje, as letras e a história celebram-nos em quase todas as raças. Não têm motivo para queixar-se da justiça do Deus supremo e verdadeiro: eles receberam sua recompensa…; os judeus, que tinham morto Cristo, foram justamente entregues aos romanos, para a glória destes. Aqueles, que pelas suas virtudes, […] procura-ram e obtiveram a glória terrestre deviam vencer aqueles que, com seus enormes vícios, mataram e recusaram o dispensador da verdadeira glória e da Cidade Eterna.”

Santo Agostinho – A Cidade de Deus – Livro V, cap. XVIII, p. 527. – Texto adaptado: http: //charlezine.com.br/wp-content/uploads/Cidade -de-Deus-Agostinho.pdf. Acesso em 07/11/17

Os textos foram escritos por cidadãos romanos, em di-ferentes épocas, e tratam momentos distintos da história de Roma. No entanto, eles concordam que

  • A) a dominação militar de Roma sobre outros povos não seria duradoura.
  • B) o poder de Roma dependeu da conquista militar e da aceitação das leis.
  • C) a explicação para o imenso poderio romano é de ordem religiosa.
  • D) o crime e os vícios dos fundadores de Roma foram os fundamentos do império.
FAZER COMENTÁRIO

Os textos foram escritos por cidadãos romanos, em diferentes épocas, e tratam momentos distintos da história de Roma. No entanto, eles concordam que a explicação para o imenso poderio romano é de ordem religiosa. A alternativa correta é a letra C.

O primeiro texto, de Tito Lívio, narra a lenda da fundação de Roma pelos irmãos Rômulo e Remo, que teriam sido salvos por uma loba e guiados pelo destino para construir uma cidade tão poderosa que iguala o dos deuses. O autor atribui a origem e o sucesso de Roma à vontade divina e à intervenção dos deuses.

O segundo texto, de Santo Agostinho, defende que Roma foi honrada por Deus por ter vencido os judeus, que mataram Cristo, e por ter recebido sua recompensa terrena. O autor também afirma que os romanos buscaram e obtiveram a glória terrestre por suas virtudes, mas que a verdadeira glória e a Cidade Eterna só podem ser alcançadas por meio de Cristo.

Portanto, ambos os textos concordam que o poder de Roma dependeu de uma ordem religiosa, seja ela pagã ou cristã, e que os romanos foram favorecidos pelos deuses ou por Deus.

5) (UNESP/2018) O mapa do Império Romano na época de Augusto (27 a.C. – 14 d.C.) demonstra

  • A) a dificuldade das tropas romanas de avançar sobre territórios da África e a concentração dos domínios imperiais no continente europeu.
  • B) a resistência do Egito e de Cartago, que conseguiram impedir o avanço romano sobre seus territórios.
  • C) a conformação do maior império da Antiguidade e a imposição do poder romano sobre os chineses e indianos.
  • D) a iminência de conflitos religiosos, resultantes da tensão provocada pela conquista de Jerusalém pelos cristãos.
  • E) a importância do Mar Mediterrâneo para a expansão im-perial e para a circulação entre as áreas de hegemonia romana.
FAZER COMENTÁRIO

a alternativa correta é a letra E. O mapa mostra a importância do Mar Mediterrâneo para a expansão imperial e para a circulação entre as áreas de hegemonia romana. O Mar Mediterrâneo era chamado pelos romanos de Mare Nostrum, que significa “nosso mar”, pois era o principal meio de comunicação e comércio entre as províncias romanas. O mapa também mostra que o Império Romano não se estendia até a China e a Índia, nem enfrentava resistência do Egito e de Cartago, que já haviam sido conquistados pelos romanos. Além disso, o mapa não indica a iminência de conflitos religiosos, nem a dificuldade das tropas romanas de avançar sobre territórios da África. Portanto, as outras alternativas estão incorretas.

Continua após a publicidade..

6) (UFPR/2018) Leia o texto a seguir:

Foi a República Romana que primeiro uniu a grande propriedade agrícola com a escravidão em grupos no interior em maior escala. O advento da escravidão como um modo de produção organizado inaugurou como na Grécia a fase clássica que distinguia a civilização romana, o apogeu de seu poder e de sua cultura. Mas enquanto na Grécia isso havia coincidido com a estabilização da pequena agricultura e de um compacto corpo de cidadãos, em Roma foi sistematizado por uma aristocracia urbana a qual já gozava de um domínio social e econômico sobre a cidade. O resultado foi a nova instituição rural do latifundium escravo extensivo. A mão de obra para as enormes explorações que emergiam do século III a.C. em diante era abastecida pela espetacular série de campanhas que deu a Roma o poder sobre o mundo mediterrâneo.

(ANDERSON, Perry.Passagens da antiguidade ao feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1995, p. 58.)

Tendo como alvo a República Romana, assinale a alternativa correta.

  • A) A desestruturação agrária em Roma, que estabeleceu sistemas de latifúndios, beneficiou os grupos empobrecidos, uma vez que estes podiam abandonar o campo e se estabelecer em cidades.
  • B) As guerras constantes ajudaram as classes dominantes da Roma republicana a desviar a atenção dos problemas fundiários derivados do latifundium nos séculos seguintes.
  • C) Foi por meio da intervenção dos irmãos Graco que o problema da reforma agrária foi resolvido no século II, pois os poderes políticos foram transplantados ao senado e, assim, Roma viu mais um século de paz.
  • D) Os tribunos da plebe tiveram um papel importante no processo da reforma agrária romana, possibilitando a transformação do modo de vida de maneira a permitir que todo pequeno agricultor transformasse sua propriedade em um Domus.
  • E) O domínio social e econômico das cidades provinha de delicada relação entre a manutenção de sistemas agrários em que a mão de obra escrava era aproveitada de forma esporádica e a utilização ocasional de grandes extensões de terra.
FAZER COMENTÁRIO

A resposta correta é a alternativa B) As guerras constantes ajudaram as classes dominantes da Roma republicana a desviar a atenção dos problemas fundiários derivados do latifundium nos séculos seguintes. Isso porque, como o texto indica, a expansão territorial de Roma trouxe riquezas e terras para a aristocracia urbana, que formava o Senado, mas também gerou uma crise social e econômica para os camponeses pobres, que perderam suas propriedades e se tornaram desempregados nas cidades. Essa situação criou um conflito entre os interesses dos grandes proprietários, que se beneficiavam do latifúndio escravo, e os dos plebeus, que reivindicavam uma reforma agrária que distribuísse as terras públicas entre os necessitados. Para evitar essa reforma, os senadores usaram as guerras como uma forma de manter o povo ocupado e satisfeito com os espólios e os triunfos militares, além de eliminar os líderes populares que defendiam as mudanças, como os irmãos Graco.

As outras alternativas estão incorretas, pois:

  • A alternativa A) é falsa, pois a desestruturação agrária em Roma, que estabeleceu sistemas de latifúndios, prejudicou os grupos empobrecidos, uma vez que estes não tinham acesso às terras nem às oportunidades de trabalho nas cidades, vivendo na miséria e dependendo da assistência do Estado.
  • A alternativa C) é falsa, pois foi por meio da intervenção dos irmãos Graco que o problema da reforma agrária se agravou no século II, pois os poderes políticos se opuseram às suas propostas e os assassinaram, gerando mais violência e instabilidade na república. Além disso, Roma não viu mais um século de paz, mas sim de guerras civis que culminaram no fim da república e no início do império.
  • A alternativa D) é falsa, pois os tribunos da plebe não tiveram um papel importante no processo da reforma agrária romana, pois eles eram constantemente vetados, perseguidos ou corrompidos pelos senadores, que detinham o poder real na república. Além disso, a transformação do modo de vida dos camponeses não era possível, pois eles não tinham acesso à propriedade privada nem aos benefícios da cidadania romana.
  • A alternativa E) é falsa, pois o domínio social e econômico das cidades provinha de uma relação entre a manutenção de sistemas agrários em que a mão de obra escrava era aproveitada de forma intensiva e a utilização de grandes extensões de terra. A escravidão era um modo de produção organizado e lucrativo para os latifundiários, que exploravam as terras públicas e privadas sem limites.

7) (Famerp/2019) Enquanto nas cidades o poder ficou nas mãos dos bispos, nos campos, concentrou-se na dos grandes proprietários. O governo romano perdeu força: já não era capaz de cobrar os impostos de maneira eficiente, nem mesmo de pagar os exércitos. Em 476, o último imperador romano foi deposto. Era o fim do Império Romano e do mundo antigo e o início de uma nova era, a Idade Média.

(Carlos Augusto Ribeiro Machado. Roma e seu império, 2004. Adap-tado.)

A queda do Império Romano do Ocidente foi provocada, entre outros fatores,

  • A) pela fragilização do poder central, que gradualmente perdeu o controle das províncias que compunham o Império.
  • B) pelo declínio econômico das colônias asiáticas, que deixaram de fornecer matérias-primas à capital do Império.
  • C) pela hegemonia econômico-financeira da Igreja, que pas-sou a combater militarmente os imperadores pagãos.
  • D) pelo desenvolvimento militar dos impérios macedônio e persa, que se tornaram rivais de Roma e a derrotaram.
  • E) pelas invasões dos bárbaros, que saquearam o Império Romano e, assim, facilitaram sua conquista pelos hunos.
FAZER COMENTÁRIO

A resposta correta é a alternativa A) pela fragilização do poder central, que gradualmente perdeu o controle das províncias que compunham o Império. Isso porque um dos fatores que levaram à queda do Império Romano do Ocidente foi a crise política e administrativa que afetou a capacidade do governo imperial de manter a ordem, a segurança, a justiça e a arrecadação nos vastos territórios sob seu domínio. O Império Romano do Ocidente chegou a ter cerca de 5 milhões de km², abrangendo partes da Europa, África e Ásia. No entanto, a partir do século III, o Império enfrentou diversas dificuldades, como:

  • As disputas internas pelo poder, que geraram guerras civis, assassinatos, golpes e usurpações. Entre 235 e 284, houve 26 imperadores, sendo que 25 morreram de forma violenta.
  • A divisão do Império em duas partes, em 395, que acentuou as diferenças culturais, econômicas e políticas entre o Ocidente e o Oriente. O Império Romano do Oriente, com sede em Constantinopla, se mostrou mais próspero, estável e resistente às invasões bárbaras do que o Império Romano do Ocidente, com sede em Roma.
  • A corrupção, a burocracia, a ineficiência e a desorganização da administração imperial, que comprometeram a cobrança dos impostos, o pagamento dos soldados, a manutenção das obras públicas, a distribuição de alimentos e a prestação de serviços à população.
Continua após a publicidade..

8) (PUCCamp SP/2019) O Império Romano atingiu um grande domínio territorial no ápice de sua expansão, mas, a partir do século V, conheceu um processo de declínio e fragmentação. Dentre os fatores que explicam esse processo, cabe mencionar 

  • A) a política dos imperadores que optaram, no século I, pelo fim do expansionismo e pela desocupação de regiões mais distantes devido aos custos que representavam para Roma.
  • B) os conflitos sociais provocados pela imposição, aos povos dominados, do catolicismo como a religião oficial de Roma, a partir do ano zero.
  • C) as disputas políticas entre o governo do Império Romano do Ocidente e o do Império Romano do Oriente, que resultaram na vitória desse último e na imposição de duras medidas e represálias ao império rival, que não resistiu.
  • D) as dificuldades administrativas decorrentes de sua extensão, da crise do escravismo e das invasões constantes de povos oriundos das regiões que não faziam parte do Império.
  • E) as revoltas da plebe precipitadas pela sonegação de impostos nos territórios invadidos, que causou crise econômica e agravou a situação de pobreza social quando o império se expandiu
FAZER COMENTÁRIO

A resposta correta é a alternativa D) as dificuldades administrativas decorrentes de sua extensão, da crise do escravismo e das invasões constantes de povos oriundos das regiões que não faziam parte do Império. Isso porque o declínio do Império Romano foi causado por vários fatores internos e externos, entre eles:

  • A extensão territorial do Império, que dificultava o controle político, militar e econômico das províncias mais distantes. O Império Romano chegou a ter cerca de 10 milhões de km², abrangendo partes da Europa, África e Ásia.
  • A crise do escravismo, que era a base da economia romana. A escassez de mão de obra escrava, devido ao fim das guerras de conquista, levou ao aumento dos custos de produção e à queda da produtividade. Além disso, houve revoltas de escravos, como a de Espártaco, que abalaram a ordem social.
  • As invasões constantes de povos oriundos das regiões que não faziam parte do Império, chamados de bárbaros pelos romanos. Esses povos, como os hunos, os godos, os vândalos, os francos, entre outros, pressionavam as fronteiras do Império, buscando terras, riquezas e refúgio das guerras e das migrações. Eles conseguiram penetrar no território romano, saqueando cidades, destruindo obras públicas e enfraquecendo o poder imperial.

9) (FAMEMA/2019) O problema das “origens” do feudalismo gerou inúmeras polêmicas sobre o fim do Império Romano no Ocidente (século V) e o surgimento das instituições feudais. Comumente, aceita-se a tese da junção de formas sociais romanas e germânicas que, justapostas, engendrariam as bases da sociedade feudal. Outros historiadores têm procurado ver na própria crise interna do império, particularmente a partir do século III, as causas da decadência romana e sua fragilidade em face dos bárbaros.(FAMEMA/2019)

(Francisco C. T. da Silva. Sociedade feudal, 1982. Adaptado.)

As origens do sistema feudal podem ser encontradas

  • A) no declínio da escravidão no Império Romano, o que originou nova forma de trabalho, e na noção de fidelidade pessoal dos germanos.
  • B) no fortalecimento da autoridade imperial, que se sobrepôs ao Senado romano, e na tradição das leis escritas dos povos germânicos.
  • C) no fracasso da reforma agrária no Império Romano, o que intensificou as guerras civis, e na concepção de poder divino dos germanos.
  • D) na assimilação dos povos dominados, que se tornaram plenos cidadãos romanos, e na ideia de propriedade privada dos germanos.
  • E) na crise dos minifúndios romanos, o que gerou intenso êxodo rural, e nas relações escravistas típicas das comunidades germânicas.
FAZER COMENTÁRIO

A resposta correta é a alternativa A) no declínio da escravidão no Império Romano, o que originou nova forma de trabalho, e na noção de fidelidade pessoal dos germanos. Isso porque o feudalismo se formou a partir da combinação de elementos romanos e germânicos que se adaptaram às novas condições históricas. Entre esses elementos, podemos destacar:

  • O declínio da escravidão no Império Romano, que levou ao surgimento do colonato, uma forma de trabalho em que os camponeses ficavam vinculados à terra e pagavam tributos aos proprietários. Essa forma de trabalho se assemelhava à servidão feudal, em que os servos exploravam a terra dos senhores feudais em troca de proteção e obrigações.
  • A noção de fidelidade pessoal dos germanos, que se baseava na lealdade entre os guerreiros e seus chefes. Essa relação se expressava no juramento de vassalagem, em que um homem livre se comprometia a servir e defender outro em troca de benefícios, como terras, armas ou cargos. Essa relação se transformou na vassalagem feudal, em que os senhores feudais concediam feudos aos seus vassalos em troca de fidelidade e serviços militares.
Continua após a publicidade..

10) (ETEC SP /2019) “Todos os caminhos levam a Roma”.

<https://tinyurl.com/y8anvuh4>  Acesso em: 26.10.2018. Original colorido.

A frase e o mapa fazem referência a uma característica marcante do Império Romano (30 a.C. a 476 d.C.). Assinale a alternativa que apresenta essa característica

  • A) A grande extensão territorial do Império impediu a construção de qualquer sistema de ligação entre a capital e a periferia, fazendo com que somente a cidade de Roma dispusesse de estradas pavimentadas para a circulação de pessoas e bigas.
  • B) Em seu processo de expansão, o Império Romano fundou colônias nos cinco continentes e estabeleceu órgãos administrativos que, em escala reduzida, reproduziam a administração central e davam aos habitantes de todas as partes a sensação de viver na própria capital, a cidade de Roma.
  • C) Diferentes pontos do Império Romano estavam ligados à capital, a cidade de Roma, e entre si por milhares de quilômetros de estradas pavimentadas por onde circulavam, principalmente, os mensageiros do Império.
  • D) O processo de desintegração do Império Romano levou à construção de estradas que tinham o objetivo de facilitar a fuga dos habitantes da cidade de Roma, aterrorizados pela violência praticada pelos povos germânicos, que saquearam a cidade.
  • E) Devido à grande influência do catolicismo na formação do Império Romano, os habitantes da capital, a cidade Roma, financiaram a pavimentação de milhares de quilômetros de estradas que eram utilizadas para a peregrinação à Terra Santa
FAZER COMENTÁRIO

A resposta correta é a alternativa C) Diferentes pontos do Império Romano estavam ligados à capital, a cidade de Roma, e entre si por milhares de quilômetros de estradas pavimentadas por onde circulavam, principalmente, os mensageiros do Império. Isso porque a frase “Todos os caminhos levam a Roma” é uma referência à extensa rede de estradas que conectava diferentes partes do Império Romano à cidade de Roma, a capital. Essas estradas facilitavam o transporte, o comércio, a comunicação e o controle político do Império. Você pode ver no mapa como as estradas ligavam várias cidades e regiões do Império.

1 2